fbpx
+55 (47) 3344 4448 // +55 (47) 9 9659 6506 (whatsapp) contato@viaflyviagens.com.br
10 dicas para viajar com o dólar alto. Faça o seu dinheiro render mais!

10 dicas para viajar com o dólar alto. Faça o seu dinheiro render mais!

Quando os preços dos dólar estão crescendo sem parar, você pode acabar ficando em dúvida se vale a pena fazer aquela sonhada viagem internacional. O que fazer? Guardar o dinheiro? Arriscar e fazer a viagem mesmo assim?

O dólar americano subiu quase 10% só no início de 2018, passando dos R$ 3,50. Os preços elevados desanimam quem quer viajar pro exterior, mas com planejamento e fazendo algumas alterações no roteiro, o seu passeio caberá no bolso.

Fique tranquilo! É possível viajar economizando com o dólar em alta. Aqui estão algumas dicas que você precisa saber caso esteja pensando em fazer sua viagem em épocas de crise cambial.

 

Viaje por menos tempo

Grande parte do orçamento das viagens geralmente vai para a hospedagem. Ficar muitos dias em um hotel caro pode elevar muito os custos da viagem e acabar pesando no bolso. A dica é reduzir o número de dias em cada destino.

Caso queira ficar mais tempo viajando, escolha apenas um destino e alugue um apartamento ou quarto por mais tempo. Isso sairá mais barato e você evitará gastos com deslocamento entre cidades e diferentes hotéis.

 

Escolhendo o destino

Se você tem algumas opções de lugares para os quais deseja ir, opte por aquele onde o dólar possui menos influência, como Peru, Colômbia, Uruguai, Índia, Rússia, Turquia, e outros.

Você pode deixar para realizar aquela tão esperada viagem para Europa quando o dólar estiver mais em conta. Além disso, conhecer novas culturas é muito enriquecedor e certamente você terá uma experiência que a princípio nem pensou.

 

Economize com hospedagem

Além de diminuir os dias de viagem, experimente ir para um hotel ou pousada mais em conta. Sempre veja as avaliações de usuários para evitar futuros problemas e escolha o hotel com o melhor custo-benefício.

Outra forma de economizar com hospedagem é alugar um quarto ou apartamento no em sites de aluguel de temporada, como o Airbnb.

Quer economizar ainda mais? Existem serviços como o “Couchsurfing”. No site, moradores de vários locais oferecem dormitório nos seus sofás totalmente de graça. Essa é a chance de conhecer novas culturas e trocar experiências com seus anfitriões.

 

Viaje com dinheiro em espécie

Os valores de IOF são muito maiores nos cartões de crédito, e especialmente em épocas de dólar alto não é uma boa opção viajar com eles.

Leve seu dinheiro em espécie e pague taxas muito menores de IOF, além de não ter a surpresa na hora que a sua fatura chegar, já que as compras internacionais só tem os seus valores convertidos para o real quando a fatura fecha.

Tenha cuidado apenas na hora de guardar e carregar o seu dinheiro. Separe a quantia em locais diferentes – carteira, bolsa, seu parceiro de viagem – e cuidado na hora de deixar o dinheiro onde você estiver hospedado.

 

Faça viagens durante a média e baixa temporada

Todo destino tem seu preço elevado em alguma época do ano, principalmente durante as férias escolares – como é o caso do inverno nos Estados Unidos.

Programe suas férias com alguma antecedência e escolha as épocas de média e baixa temporada. Faça pesquisas relacionadas ao local que pretende visitar, – procure saber sobre o clima, preços de hospedagens, o fluxo de turistas nessa época do ano, etc – e escolha gastando menos.

 

Use suas milhas

Um dos maiores gastos é o preço das passagens aéreas. As passagens costumam ter um custo alto, especialmente se você comprá-las em períodos de alta temporada ou de última hora.

Você já pesquisou promoções de passagens aéreas e não encontrou nada. Uma opção é resgatar a sua passagem com milhas. Parece mentira, mas as milhas realmente funcionam e você pode economizar muito. Conheça o programa de fidelidade da sua companhia aérea e aproveite.

 

Economize com passeios

Você não precisa deixar de curtir os pontos turísticos do seu destino. Monte um roteiro que inclua mais atrações gratuitas – não economize tempo na hora de pesquisar.

Quando for comprar os ingressos para visitar as atrações e pontos turísticos, sempre compare os preços. Algumas entradas são vendidas tanto em sites oficiais como em sites de vendas de ingresso.

Além disso, comprar os ingressos com antecedência, ainda no Brasil, podem ajudá-lo a economizar.

Sites como o WePlann permitem parcelar o seu ingresso, o que pode ser uma opção se você estiver com o orçamento apertado.

Outra dica para economizar no exterior é comprar apenas o necessário. A maioria das pessoas viaja com a intenção de fazer compras, e momentos com o dólar em alta pedem cautela na hora de ir às compras.

 

Diminua os deslocamentos

Para isso, programe sua viagem de modo a aproveitar o máximo cada lugar. Neste caso, deve ser estabelecido um roteiro que aproveite ao máximo os pontos turísticos a serem visitados.

Por exemplo, se você quer visitar uma praia ao norte, verifique quais outros pontos podem ser visitados naquele mesmo dia, para não precisar voltar em algum outro dia.

Caso os locais sejam muito longe da sua hospedagem, as vezes sai mais em conta locar um novo apartamento mais próximo da área a ser visitada. Isso porque viajar com o dólar alto faz com que os valores de deslocamentos por vezes sejam maiores que os próprios aluguéis.

 

Viajar pelo Brasil é uma ótima opção!

Mesmo que os preços em alta temporada sejam salgados, viajar dentro do Brasil sai mais barato caso você planeje sua viagem com antecedência.

Nosso país é incrivel e com certeza tem algo de muito belo e interessante para você conhecer! Assim você evita qualquer flutuação de moeda e os gastos com o câmbio.

Pesquise os preços de hospedagem, passagens, passeios e etc, tudo com pelo menos 60 dias de antecedência e em épocas de baixa temporada como o outono ou a primavera, por exemplo.

 

Planeje-se

Nossa última dica pode parecer óbvia para alguns. Entretanto, viajar com o dólar alto, requer o dobro de atenção e planejamento.

Muitas pessoas acabam pagando mais caro por não fazer muitas pesquisas ou deixar para comprar tudo às vésperas da viagem.

Por isso, faça diferente e pesquise muito e, claro, veja tudo com antencedência.

Concluindo

Apesar de o dólar influênciar países do mundo todo, com as dicas que trouxemos, sua viagem não ficará para depois.

A internet é a melhor alternativa para encontrar os melhores preços, roteiros e passeios, utilize-a a seu favor.

Se você gostou das nossas dicas para viajar com o dólar alto, compartilhe o artigo para que mais pessoas possam aproveitar. Caso tenha outras dicas, convidamos a compartilhá-las conosco.

Compras no exterior, o que saber para uma imigração tranquila no Brasil

Compras no exterior, o que saber para uma imigração tranquila no Brasil

Fazer compras no exterior é quase sempre um dos objetivos quando os brasileiros pensam em ir para fora do país.

Mas o tema é cercado por dúvidas: qual o valor máximo permitido, o que tem isenção e o que paga imposto.

A fiscalização tem aumentado cada vez mais, principalmente quando se trata de vôos vindo dos Estados Unidos.

Saber as entrelinhas e o que é permitido ou não é sempre importante na hora de planejar a sua viagem internacional, principalmente quando você quer adquirir um celular ou câmera mais modernos no exterior.

Para você não ter más surpresas e prejuízos em sua volta ao Brasil, algumas observações devem ser feitas, acompanhe conosco as mais importantes.

Valores máximos de compras no exterior

 

1. Quanto você pode comprar na ida

Não há limite de valor para as compras feitas nas lojas duty-free quando você for embarcar.

O cuidado que você deve tomar é que os impostos podem ser cobrados quando você retornar ao Brasil, principalmente sobre itens de tecnologia e eletrônicos.

Tudo que for comprado no momento do embarque já é considerado compra no exterior, e por isso pode ser taxado.

 

2. Compras no free shops internacionais

Também não há limite, de modo geral. Seja qual for o aeroporto que você passar, as compras podem ser feitas livremente, com exceção de cigarros e bebidas que podem ter quantidade máxima permitida em alguns países.

Lembre-se também que alguns desses itens que você adquirir fora do país podem ser taxados no retorno.

 

3. O máximo permitido em compras

O valor máximo permitidos em compras que você pode trazer do exterior é de US$ 500. Antigamente esses valores diziam respeito apenas a itens eletrônicos, mas hoje em dia leva em conta até mesmo roupas.

De maneira mais detalhada, existem algumas condições específicas. Você pode trazer alguns eletrônicos sem ser taxado e pequenos souvenirs de até 5 dólares, com um limite de itens iguais.

Apesar da maioria ainda conseguir passar pela alfândega com suas roupas novas sem problema algum, o melhor é se preparar para as multas caso os valores não sejam declarados.

Algumas das condições para não ter problemas é trazer bagagens proporcionais ao período da viagem.

Não é permitido trazer quilos e quilos de produtos de você fez uma viagem de apenas 2 dias.

Tudo que for considerado de uso pessoal estará isento de taxas. Remova as etiquetas e evite levar peças repetidas para não ser pego de surpresa.

 

4. Isenção para itens eletrônicos

É permitido trazer um relógio, um celular e uma câmera por fora da cota dos quinhentos dólares permitidos. Isso é aplicado apenas para UM item de cada, e devem estar fora da caixa e usados. Deixar os aparelhos antigos em casa e embarcar sem nada pode ser uma solução para quem quer trazer um aparelho melhor do exterior. Caso você não possa deixar os aparelhos em casa, recomenda-se levar a nota fiscal deles, para comprovar que não foram adquiridos naquela viagem.

Já iPads e notebooks não estão isentos da taxa, por isso fique atento.

 

5. Viagens terrestres

Já no caso de viagens terrestres, o valor máximo é de US$ 300. Viagens rápidas para cidades do Paraguai, por exemplo, não incluem a isenção dos itens eletrônicos citados acima, já que a regra considera que você precise dos itens durante a viagem.

 

6. Compras feitas no retorno ao Brasil

Quando você desembarcar, pode comprar 500 dólares além do valor já permitido pela cota,  no Free Shop Brasil, qualquer que seja o tipo de produto. A compra passará direto pela alfândega e pode ser ou não de uso pessoal.

Importante destacar que a regra só é válida no retorno, se você realizar compras na ida, o valor entrará no limite estabelecido.

ATENÇÃO! Crianças também possuem a cota no valor de 500 dólares mas os objetos deverão ser condizentes, por exemplo, não é possível incluir itens de bebida e tabacaria.

 

7. Fiscalização em Foz do Iguaçu

 No aeroporto de Foz de Iguaçu existe uma fiscalização na hora do embarque, e pode ser que você se depare com problemas na hora de mostrar que já possuía o item antes de chegar à cidade.

Além disso, devido à proximidade com o Brasil e os valores mais baixos, não raras vezes vemos notícias de pessoas tendo suas mercadorias apreendidas, portanto, evite esta situação mantendo suas compras no limite estabelecido.

Como funciona a Devolução de Imposto

Em algumas lojas na Europa e na Argentina são emitidas notas fiscais especiais para quem é turista, capazes de deduzir o Imposto de Valor Agregado (IVA). Ao realizar uma compra mínima na loja e preencher um formulário, você precisa passar no posto de devolução de imposto no aeroporto e apesar de trabalhoso o procedimento pode devolver até 15% do valor comprado.

Ultrapassou o limite de compras? O que fazer?

Ao retornar ao Brasil, declare os valores na alfândega. O valor cobrado será de 50% sobre o excedido. Ou seja, se você comprou um produto de US$1000, será cobrada uma taxa de US$250, 50% dos quinhentos dólares excedentes.

Se você decidir não declarar e for pego de surpresa, poderá ter que pagar 100% de multa em relação ao valor excedido. É possível pagar os valores em cheque ou cartão de débito.

Viajar gera sempre uma grande expectativa, principalmente aqueles que planejam fazer compras no exterior.
No entanto, para que o sonho não torne-se um verdadeiro pesadelo, é muito importante analisar a legislação do destino para onde pretende-se ir e estar atento às normas e limites impostos pelo própria legislação brasileira, evitando assim, prejuízos.

Caso você tenha dúvidas sobre compras no exterior e assuntos relacionados à sua viagem, ficaremos felizes em torná-la ainda mais tranquila e proveitosa, deixe seu comentário e procuraremos auxiliá-lo da melhor forma.

Dicas de câmbio para o seu dinheiro render mais no exterior

Dicas de câmbio para o seu dinheiro render mais no exterior

O câmbio é sempre um assunto complexo e que gera muitas dúvidas para quem viaja. Entender alguns pontos importantes sobre o tema é fundamental para que você evite perrengues na hora de viajar ao ficar sem dinheiro. Mesmo que pareça uma simples “troca” de dinheiro, não é bem assim que as coisas funcionam.

O câmbio envolve a venda de uma mercadoria e muitas vezes o valor oferecido é inferior ao que nosso produto vale. Confira algumas dicas para não se perder quando o tema for câmbio e fazer o seu dinheiro render no exterior.

Dicas para o seu dinheiro render no exterior

1. Fazendo o seu dinheiro render no exterior

Existe um valor máximo de R$ 10 mil que você pode comprar em dinheiro vivo. Caso deseje levar mais, é necessário comprovação de renda declarando os valores na Receita Federal. Programe a compra das moedas aos poucos, gradualmente, antes da viagem para encontrar os valores mais baixos, evitando as flutuações no valor. Além disso, você pode receber em casa as suas notas, já que algumas empresas possuem um serviço de delivery.

2. Utilizando cartões pré-pagos

Os cartões pré-pagos funcionam como um cartão de débito no exterior. Você pode comprá-lo e ‘carregá-lo’ com o quanto quiser. Importante dizer que ele pode ser recarregado mais de uma vez logo, se o crédito nele acabar, você não ficará sem. É uma opção mais cômoda e segura, já que pode ser bloqueado em caso de perda.

3. Leve consigo alguma quantia em dólar

Para evitar surpresas desagradáveis é bom levar dólares ou euros com você na viagem. Algumas moedas não são aceitas em todos os lugares, como é o caso do real. Ter o dólar consigo pode evitar que você tenha problemas e fique sem dinheiro.

4. Duas opções são o melhor

Para ter uma viagem mais segura, o mais adequado é levar as suas economias em duas opções, de preferência a maior parte num cartão pré-pago e uma parte menor em espécie. A desvantagem do primeiro é justamente o IOF alto, cerca de seis vezes maior que do dinheiro vivo. Apesar disso, tenha em mente a segurança que o cartão te dá ao permitir que o valor seja bloqueado em caso de perda.

 

5. Sacar dinheiro não é vantagem

Como geralmente é cobrada uma taxa ao retirar células em caixa eletrônico, essa não é uma boa opção para os turistas. O cartão pré-pago sai como uma opção mais em conta.

Além disso, caso seja extremamente necessário levar os valores, recomenda-se ir comprando os dólares aos poucos e após uma boa pesquisa de preços, visto que os valores podem alterar no decorres dos dias.

Existem vários bancos e corretoras que oferecem o serviço de câmbio. Na hora de planejar a viagem, certifique-se de conhecer a maior quantidade possível desses serviços e encontrar o melhor preço.

O valor pode variar bastante ao longo dos dias, e tudo isso pode fazer uma enorme diferença na hora de colocar na ponta do lápis todos os gastos com a sua viagem internacional.

6. Levar uma moeda forte pode ser melhor

Apesar de ser interessante reduzir a quantidade de operações de câmbio, pode ser mais interessante comprar dólares e levar ao seu local de destino.

Não tenha medo de chegar num país novo sem a moeda local: todos os aeroportos possuem casas de câmbio, e com o dólar em mãos pode sair mais vantajoso adquirir a moeda local.

As taxas nos aeroportos não costumam ser as melhores, mas são casas de câmbio que oferecem mais segurança. Esteja atento a confiabilidade dos locais para não ter eventuais prejuízos com notas falsas.

7. Não caia na tentação do cartão de crédito

Mesmo que pareça uma baita vantagem dividir suas compras de viagem em suaves prestações ao longo do ano, não caia na tentação se está tentando fazer o seu dinheiro render no exterior. O IOF é alto e a taxa de câmbio só é feita quando sua fatura fecha, o que pode acabar te surpreendendo de uma forma não muito legal.

8. Moedas exóticas são caras

Se você vai para um destino que possui uma moeda local diferente dos famosos euros e dólares, não caia na tentação de fazer o câmbio no Brasil. Aqui, as moedas diferentes e mais difíceis de encontrar podem sair bem mais caras, e se você quer economizar o melhor é comprar uma moeda mais comum mundo à fora como o euro e o dólar e trocar quando você chegar ao seu destino.

Se está em dúvidas, com certeza a opção mais simples é comprar dólares – sempre pesquisando o mais barato, claro – e levar ao destino. Sempre confira os custos do seu destino para saber quanto vai precisar gastar e tenha mais dinheiro disponível.

Deve-se ficar atento à conversão da moeda para onde se irá. Muitas vezes os valores são bastante atrativos se vistos em dólares, por exemplo, mas deve-se sempre fazer a conversão para considerar quanto efetivamente será gasto e, assim evitar surpresas.

É importante usar a internet a seu favor e sempre realizar pesquisas de preços sobre os melhores lugares para realizar suas compras.

Além disso, deve-se atentar às recomendações das lojas para que não tenha prejuízos com defeitos e/ou trocas. Caso você queira acompanhar mais dicas para o seu dinheiro render no exterior e dicas de viagens no geral, não deixe de acompanhar nosso blog e saber das novidades.